contador

rastreador

Follow by Email

Páginas

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

NATAL

“E que todas as boas intenções que pairam, utopicamente, sobre o natal tornem-se um dia, de fato, realidade. Que todas as luzes que brilham frenéticas nessa época do ano sejam luzes no fim do túnel e sirvam como direção a quem de guia necessitar. Que os ventos que predizem a chegada de mais um ano sejam os bons ventos perfumados da primavera e que, nesse período, desabrochem junto às flores os nossos melhores sentimentos!
Vem natal, vem manso, toca teus sinos em sintonia com o pulsar dos corações enfastiados, faz dessa melodia um acalento a quem pouco ou nada crê na vida, renova a esperança em quem espera um dia ‘o milagre’ acontecer. Seja esse milagre! Que o Natal seja mais que uma troca de presentes e comida farta, mais que um bom e esquecido velhinho descendo pela chaminé, que seja fé. Somente fé.

Seja muito bem-vindo, senhor Natal.!
Pode entrar, a porta está aberta!” * Bom dia* e Feliz Natal.

domingo, 2 de dezembro de 2012

mais eu

"Ele não sabe mais nada sobre mim. Não sabe que o aperto no meu peito diminuiu, que meu cabelo cresceu, que os meus olhos estão menos melancólicos. Ele não sabe quantos livros pude ler em algumas semanas. Não sabe quais são meus novos assuntos nem os filmes favoritos. Ele não sabe quantos amigos desapareceram desde que me desvencilhei da minha vida social intensa. Ele não sabe que eu nunca mais me atentei pra saudade. Que simplesmente deixei de pensar em tudo que me parecia instável. Que aprendi a não sobrecarregar meu coração, este órgão tão nobre. Ele não sabe que tenho estado tão só sem a devastadora sensação de me sentir sozinha. Ele não sabe que desde que não compartilhamos mais nada sobre nós, eu tive que me tornar minha melhor companhia: ele nem imagina que foi ele quem me ensinou esta alegria."

recomeçar

"Um dia desses, peguei meus medos e histórias; minhas culpas e memórias, espalhadas todas no velho chão de minha casa. Um dia, descolei hipocrisias e invejas, raivas e egoísmos, perdas e ocas vitórias, todas presas nos cantos e frestas do m
eu coração enferrujado. Um dia juntei minhas intrigas e novelas, meus desdéns e desatinos e joguei todos na fogueira que fiz no quintal-de-mim. Um dia, recolhi minhas vergonhas e receios, crises e aflições, ciúmes e tristezas, todas elas amarrotadas atrás dos meus (in)cômodos antigos. Quebrei minhas correntes como quem desamarra laços de um presente esquecido. Um dia separei joio do trigo, vícios de virtudes e me livrei das traças de emoções baratas a corroer minha sanidade e devorar minhas doçuras. Troquei meus falsos tesouros, gaiolas vazias e velhas crenças por espaços livres entre os suspiros. Arranquei pela raiz minhas mágoas e ressentimentos no jardim de aflições que a contragosto cultivei. Lavei meus sonhos e planos com bastante água e sabão. Passei um pano nas lembranças a me dar gastura e a me prender no passado doído. Doei carapuça que me servia pra brechó do nunca. Esvaziei os porões da consciência de tralhas e traumas, desculpas e truques. Troquei as velhas fechaduras da solidão e abri as janelas para a leveza irradiada. E assim, mudei a folha do calendário do meu ano velho; a decorar quarto de hóspedes para o Amor descansar sereno. Um dia, fiz faxina aqui dentro e tudo ficou mais bonito lá fora."

silencio

"Adoro quem tem paciência para me ouvir, mas amo quem me escuta quando eu não falo."

dica

"Coisas importantes moram na parte de dentro. O de fora, o tempo apaga, a chuva leva, o vento desfaz."

reconstruir a si mesmo

"Chega um momento em que a gente se dá conta de que, às vezes, para sermos verdadeiros com nós mesmos, precisamos ter o desprendimento para abençoar as tentativas sem êxito, agradecer pelo o que cada uma nos ensinou, e seguir. De que, às vezes, para se reconstruir, é preciso demolir construções que, por mais atraentes que sejam, não são coerentes com a idéia da nossa vida."

Sou mais eu

"Numa dessas de amor, roteirizei tudo o que eu gostaria de te dizer quando eu tivesse chance, porque seria a última. Tentei raciocinar e lembrar daquilo que combinei comigo mesma: esse lance aí de ser feliz, de desapegar, de viver uma nova vida, sabe? Enquanto te ouvia, tentei puxar pela memória... Como é mesmo? Ah, eu queria ter te falado que me decidi não ter mais notícias suas, a não me interessar mais por nada que te diga respeito e o principal: eu decidi não nutrir mais
 esse sentimento insólito, em que a reciprocidade vem em conta-gotas, enquanto a consternação é dada em dose cavalar. Eu cansei de esperar por alguém que sempre volta, mas nunca fica. Meu coração não é souvenir a ficar na sua estante de memórias e a minha vida não é lugar a se visitar quando sentir vontade. Cara, eu ainda te amo, sim. Mas, eu me amo mais, muito mais. E eu gostaria de ter te falado isso tudo, se eu tivesse conseguido lembrar uma só palavra após ouvir “Por que você demorou tanto a atender o celular? Não queria falar comigo?” Não! Eu não queria correr o risco de me corromper, logo agora que eu estou prestes a me encontrar. Mas, já que você ligou, tem algumas coisas que eu gostaria de te dizer... Tu Tu Tu."